Sintomas do cancro oral

O cancro oral é uma patologia que pode afetar qualquer pessoa, especialmente os fumadores e aqueles que têm o hábito de ingerir bebidas alcoólicas. Conheça quais os sintomas do cancro oral e proteja a sua saúde.

Onde surge o cancro oral

O cancro oral é uma patologia que surge nos lábios (normalmente no lábio inferior), dentro da boca, na parte posterior da garganta, nomeadamente nas amígdalas ou nas glândulas salivares.

Fatores de risco

O seu aparecimento ocorre, principalmente, nos homens com mais de 40 anos de idade. Os maiores fatores de risco são: o ato de fumar e a ingestão em excesso de bebidas alcoólicas.

Se não for detetado atempadamente, o cancro oral pode exigir tratamentos específicos para a sua remoção, como: a cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia. Tenha em consideração que este tipo de cancro pode ser fatal e é por isso que apresenta uma taxa de sobrevivência de cinco anos de 50%. Um dos motivos pelos quais este prognóstico é tão negativo é o facto dos primeiros sintomas não serem imediatamente reconhecidos. O diagnóstico precoce e acertado é fundamental para que o tratamento seja um sucesso.

Quais os sintomas do cancro oral

Nem sempre é possível verificar os primeiros sinais que indicam a existência de um cancro oral, o que aumenta a importância dos check-ups com o dentista ou médico de família. O dentista é um profissional qualificado e com formação especializada para detetar os primeiros sinais de um cancro oral. No entanto, além das consultas regulares, é necessário falar com o seu dentista se detetar os sintomas seguintes:

  • Feridas nos lábios, gengivas ou no interior da boca. Tratam-se de pequenos golpes que sangram facilmente e não parecem melhorar;
  • Um caroço ou inchaço na bochecha que se sente ao passar a língua;
  • Perda de sensibilidade ou sensação de dormência em qualquer parte da boca;
  • Manchas brancas ou vermelhas na gengiva, língua ou em qualquer outra parte da boca;
  • Dificuldade em mastigar e engolir determinados alimentos;
  • Dor sem motivo aparente ou sensação de ter algo preso na garganta;
  • Inchaço nos maxilares que impede a correta adaptação do aparelho dos dentes ou da dentadura;
  • Mudança na voz.

Como evitar o cancro oral

Se não tem o hábito de fumar, nem mascar tabaco, não o adquira, pois o uso do tabaco é o responsável principal por 80% a 90% das causas de cancro oral.

O ato de fumar

A ligação entre o fumar, o cancro do pulmão e as doenças cardíacas já se encontra estabelecida há muito tempo devido aos malefícios do tabaco. O ato de fumar também afeta a saúde geral, tornando mais difícil o combate contra as infeções e mais lenta a reparação de ferimentos e de cirurgias. Nos jovens adultos, este hábito pode retardar o crescimento e dificultar o respetivo desenvolvimento. Muitos fumadores afirmam que, progressivamente, vão deixando de sentir o aroma e o sabor dos alimentos e isso conduz a uma má alimentação. É de destacar que o fumar também causa mau hálito e mancha os dentes, prejudicando a imagem de uma pessoa.

Sempre que acende um cigarro, um charuto ou um cachimbo, a sua saúde oral fica em perigo. Ao fazê-lo, corre sérias probabilidades de desenvolver um cancro na laringe, na boca, na garganta ou no esófago.

Mascar tabaco

O hábito de mascar tabaco eleva em 50 vezes a possibilidade de se desenvolver um cancro oral. Como tal, a melhor solução passa por não fumar nem usar quaisquer outros produtos derivados do tabaco. Quando uma pessoa deixa de utilizar esses produtos, o risco de contrair um cancro oral decresce consideravelmente. É de realçar que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas também aumenta o risco do cancro oral e a combinação fumo/álcool pode ser mortífera.

Como se trata o cancro oral

Depois do cancro oral ter sido diagnosticado, uma equipa de especialistas (que inclui um cirurgião dentista) desenvolve um plano de tratamento específico para cada paciente. Na maioria dos casos, a cirurgia é obrigatória, e esta é seguida de sessões de radio e quimioterapia. É fundamental entrar em contacto com um profissional que esteja familiarizado com as mudanças que as terapias provocam na boca e na saúde oral.

Quais os efeitos secundários que a radioterapia produz na boca

Quando a radioterapia é aplicada na área da cabeça e do pescoço, muitas pessoas ficam com a boca seca e irritada. Na maioria das vezes, têm dificuldade em engolir determinados alimentos e perdem, muitas vezes, o paladar. Tenha em atenção que a radiação também aumenta o risco do aparecimento de cáries e, como tal, é muito importante que cuide da sua boca e garganta durante os tratamentos.

Como manter a saúde oral durante a terapia

Antes de começar as sessões de radio ou quimioterapia, fale com o seu dentista sobre os problemas orais que poderá ter durante ou depois do tratamento e saiba como evitá-los. Para manter a sua saúde oral durante este período, cumpra com os aspetos seguintes:

  • Escove os dentes pelo menos duas vezes ao dia e use uma escova macia;
  • Utilize o fio dental com regularidade;
  • Evite condimentos e alimentos ásperos como os vegetais crus, nozes e biscoitos secos;
  • Não consuma bebidas alcoólicas e não fume;
  • Ingira chicletes sem açúcar para não ficar com a boca seca;

Faça uma revisão completa aos seus dentes com uma maior frequência.

A sua votação: 
Average: 4.3 (3 votos)